22 de janeiro de 2015

Vem aí: Irresistível de M.S. Fayes–Aguardem!

 

Capa IrresistÃ-vel Definitiva

Livro: Irresistível

Autora: M.S. Fayes

Trilogia da Lei 02

Publicação independente

280 páginas

Disponível em Fevereiro em E-book e livro Físico.

Sinopse: Poderia haver algo que freasse a impetuosa Fay Williams? Aparentemente apenas um homem com pulso firme poderia domar aquele furacão em forma de mulher. Quando Fay e Alex se encontram pela primeira vez, faíscas voam para todos os lados, deixando marcas em ambos. Eles nunca poderiam esperar que suas carreiras acabariam se encontrando tão próximas.

Ao invés de aliados, eles se viram oponentes na batalha travada entre seus desejos e seus corações. O único que podiam atestar afinal era que, o amor é simplesmente irresistível em toda a sua essência.

Sobre a Autora:

clip_image002

Brasiliense que ficou conhecida na net por postar em seu blog resenhas, ou como ela costuma chamar, “divagações” sobre livros, de forma bem divertida, atraindo o público fã de romances. Posteriormente, passou a escrever contos que foram encantando o público leitor em geral.

Estamos falando de Martinha Fagundes, que sob o pseudônimo de M. S. Fayes, lançou este ano seu primeiro romance, Tapete Vermelho.


Siga MS Fayes nas redes sociais:

Facebook - https://www.facebook.com/MSFayes

Twitter - https://twitter.com/Martiquinha

Página pessoal do face: Martinha Fagundes

instagram: Martinha Fagundes

e-mail:  fayesms@gmail.com | martinhafagundes34@gmail.com

18 de janeiro de 2015

Soldados: Sobre lutar, matar e morrer de Sönke Neitzel e Harald Welzer

Cerca de um milhão de soldados alemães foram capturados pelas tropas britânicas e norte-americanas ao longo da Segunda Guerra Mundial – desde jovens praças de infantaria até oficiais condecorados da Luftwaffe e da SS. As divisões de espionagem dos Aliados, interessadas no potencial estratégico das conversas e confidências trocadas entre alguns desses prisioneiros, instalaram microfones ocultos em suas celas a fim de monitorar diálogos relevantes para a inteligência militar. Pistas decisivas sobre flutuações do moral do inimigo e o desenvolvimento de armas secretas pelo regime nazista apareceram nas dezenas de milhares de páginas transcritas dessas escutas.

Setenta anos após o conflito, esses inestimáveis documentos históricos – nunca antes publicados – são a base deste livro assombroso e surpreendente. Os autores oferecem uma radiografia extensa dos modos de ser, pensar e combater dos soldados de Hitler, mas também um olhar único e indispensável sobre a mentalidade dos militares em geral, que sempre insistiram em seu comportamento honrado durante as guerras. Esse mito é derrubado de uma vez por todas por essas gravações.

 

Livraria Cultura / Saraiva / Amazon

 

Esse livro, apesar de trazer um documento histórico incrível e imprescindível, pode também ser muito atual e revelar muito de nossa sociedade hoje, em pleno século XXI, mostrando que ou a história é mesmo cíclica ou a humanidade em geral não evoluiu em nada!

Para começar podemos ver que a espionagem é algo que vem de muito tempo atrás, então WikiLeaks e Snowden só vieram mesmo para revelar algo que existia – e ainda deve existir, pois duvido que os governos vão deixar uma arma dessas para trás! Mas o mais interessante nesse livro é o estudo sociológico e histórico que os autores fazem no início e que me fez refletir sobre muitas coisas e acontecimentos e me fez enxergar o mundo de uma outra forma.

Sönke é historiador e Harald, sociólogo e os dois se uniram para analisar o tesouro que são as gravações feitas, pelos Aliados, de conversas de soldados alemães presos durante a guerra. Esses relatos são como uma cápsula do tempo, pois como foram gravadas no decorrer da guerra, os soldados não sabiam quem sairia vencedor, nem quanto tempo a guerra duraria. O que eles tinham em mãos era o dia a dia desses indivíduos e o modo como eles interpretavam o que estava ocorrendo no mundo o o modo como se gabavam e/ou contavam suas experiências no decorrer das batalhas e ocupações.  São relatos crus, violentos e surpreendentes!

Uma das coisas que mais me chamou a atenção no livro foi aprender sobre "marcos referenciais". O que é isso? Vou transcrever a explicação dos autores:

"Os seres humanos não são como os cães de Pavlov. Eles não reagem a determinados estímulos com reflexos condicionados. Nos seres humanos, entre estímulo e reação acontece algo bastante específico, que representa a sua consciência e difere a espécie humana dos demais seres vivos: os seres humanos interpretam o que seus sentidos percebem e, só a partir dessa interpretação, tiram conclusões, decidem e agem. Por isso, ao contrário do que supunha a teoria marxista, os seres humanos jamais atuam com base em condições objetivas – nem se orientam exclusivamente pelos cálculos de custos e benefícios, como teóricos da rational choice nas ciências sociais e econômicas fizeram acreditar por muito tempo. Uma guerra não se explica inteiramente com ponderações de custo e benefício; ela tampouco surge necessariamente das circunstâncias objetivas. Um corpo sempre cai de acordo com as leis da gravidade, e nunca de outra maneira, mas o que as pessoas fazem pode ser sempre feito de outro jeito. Nem mesmo temas tão mágicos como as "mentalidades"  conseguem estabelecer o que os seres humanos fazem. Não que se duvide da importância das configurações psicológicas. As mentalidades antecedem as decisões, mas não as determinam. Embora a percepção e a ação dos seres humanos estejam ligadas a condições sociais, culturais, hierárquicas, biológicas e antropológicas, eles gozam de uma margem de interpretação  e de ação. Poder interpretar e tomar decisões pressupõe alguma orientação – e saber em que está envolvido e quais consequências cada decisão traz. Essa orientação fornece uma matriz ordenada de modelos interpretativos: o marco referencial.

Histórica e culturalmente, os marcos referenciais variam bastante: muçulmanos ortodoxos enquadram o comportamento sexual como moral ou reprovável em marcos distintos aos dos ocidentais secularizados. Nenhum membro  de nenhum dos grupos compreende o que vê livremente de referências que, não tendo procurado nem escolhido, ainda assim marcam, induzem e direcionam de maneira significativa seus sentidos e interpretações. Não quer dizer que não haja também, em situações especiais, extrapolações do marco referencial estabelecido e algo verdadeiramente novo seja visto ou pensado. Mas isso só ocorre raramente. Marcos referenciais garantem economia de ação: o que ocorre com mais frequência pode ser enquadrado em alguma matriz conhecida. Funciona como um alívio. Nenhum agente precisa começar sempre do zero, respondendo continuamente à mesma pergunta: o que está realmente acontecendo agora? As respostas a essa pergunta já estão, em sua grande maioria, pré-programadas e são reproduzíveis – armazenadas num acervo cultural de orientação e conhecimento que dissolve em rotinas, costumes e certezas boa parte dos encargos da vida e poupa os indivíduos de forma colossal."

Como se pode ver, se partirmos dessa definição de marcos referenciais, podemos compreender o mundo de um outro jeito, pois a cultura e sociedade é muito variável em todo o mundo. E uma das coisas que me chamou a atenção também foi quando os autores afirmaram que Hitler conseguiu mudar o marco referencial alemão em pouco mais de uma década, sendo que os marcos referenciais mudam somente durante gerações.

A parte alta do livro, porém, são as transcrições das conversas entre os soldados. Há todo um universo lá que a gente nem consegue imaginar! O horror, as mortes, o modo como lidavam com os fatos da guerra e da paz... tudo é um aprendizado tremendo e uma entrada numa mentalidade totalmente diversa da nossa! Tinha horas que eu tinha de parar, pois ficava escandalizada como o pouco caso que eles faziam das vidas humanas. Mas como os autores já explicam no começo: devemos ler sem julgamentos, pois o marco referencial deles é diferente do nosso, e eles não sabiam o que viria pela frente! (se bem que não sei se fariam diferente se soubessem...). O livro traz uma histórica reconstituição do Terceiro Reich e um estudo muito profundo da mentalidade dos soldados e pessoas que viveram nesse período e foram seduzidos pela aura de Hitler e seus asseclas.

Mas quando disse que esse livro ainda pode ser traduzido para nossa era atual – século XXI – é porque é difícil não enxergar a ideologia que os nazistas seguiam tão ferrenhamente da ideologia dos jihadistas de hoje: há o mesmo ódio a quem não é como eles (arianos = islamitas), a mesma sanha de dominar o mundo (veja as guerras na África e em alguns países do Oriente onde cristãos e outras etnias estão sendo perseguidos por radicais islâmicos). Há toda uma cultura de ódio e perseguição ao diferente e um descaso total com a vida de inocentes! E acho que essa teoria dos autores sobre marcos referenciais pode ajudar a entender e compreender o mundo de hoje de uma forma mais clara e sem ideologias. Um livro para ser referência para sempre!

11 de janeiro de 2015

Os Três de Sarah Lotz

Quinta-Feira Negra. O dia que nunca será esquecido. O dia em que quatro aviões caem, quase no mesmo instante, em quatro pontos diferentes do mundo.
Há apenas quatro sobreviventes. Três são crianças. Elas emergem dos destroços aparentemente ilesas, mas sofreram uma transformação.
A quarta pessoa é Pamela May Donald, que só vive tempo suficiente
para deixar um alerta em seu celular:
Eles estão aqui.
O menino. O menino, vigiem o menino, vigiem as pessoas mortas, ah, meu Deus, elas são tantas... Estão vindo me pegar agora. Vamos todos embora logo. Todos nós. Pastor Len, avise a eles que o menino, não é para ele...
Essa mensagem irá mudar completamente o mundo.

 

Quando me deparei com esse resumo fiquei completamente curiosa para saber o que esse livro traria. Devo confessar que não aconteceu muito do que esperava, mas o que aconteceu me pegou de surpresa e me fez apreciar muito a história.

Bom, para começar, a história se baseia em um livro escrito para contar a tragédia que foi a Quinta Feira Negra e sobre o que aconteceu com as crianças sobreviventes. No prefácio de seu livro, a autora, Elspeth Martins, diz que vai trazer apenas dados que levantou e vai deixar os leitores formarem suas opiniões. E assim vamos vendo transcrições de conversas via skype, trechos de entrevistas em jornais e revistas – algumas traduções –, transcrições de conversas em salas de chat e e-mails e vamos tendo uma ampla visão do que ocorreu nos meses após a tragédia.

A Quinta Feira Negra foi um acontecimento em que quatro aviões caíram, quase ao mesmo tempo, em diferentes locais do mundo: Japão, Estados Unidos, África e Europa. Desses desastres somente três crianças – uma de cada voo – escapou com vida e quase sem nenhum ferimento. Esse fato, juntamente com uma mensagem enigmática deixada por uma americana, que estava no avião japonês,  pouco antes de morrer, desencadeia várias teorias da conspiração envolvendo essas crianças! Há desde fanáticos religiosos que afirmam que as crianças são os Cavaleiros do Apocalipse, a crenças de que as crianças estão tomadas por alienígenas tentando dominar a Terra com a ajuda dos governos.

A autora vai nos fazendo ver, através de relatos das famílias dos sobreviventes e testemunhas, como a vida dessas crianças vai dando lugar a uma complexa manipulação midiática e religiosa e, até mesmo política, e mudando o destino de inúmeras pessoas. O suspense vai num crescendo e a curiosidade por saber o que aconteceu de verdade vai fazendo com que largar a leitura seja muito difícil. O final foi totalmente inesperado e nos deixa com algumas perguntas ainda, exatamente o que a autora prometeu no começo. Ótima história!

6 de dezembro de 2014

Take this Regret de A. L. Jackson

Há erros que cometemos dos quais nos arrependemos pelo resto da vida. Para Christian, foi o dia em que traiu Elizabeth. Christian Davison tem sua vida planejada. Está determinado a se tornar um advogado e um dia assumir seu lugar de sócio no escritório de advocacia  de seu pai. Nada vai ficar em seu caminho, nem mesmo Elizabeth Ayers e o bebe deles que ela está esperando.

Depois que Christian a cortou de sua vida, Elizabeth passou os próximos cinco anos lutando para criar sua filha e não se importando em se sacrificar para proporcionar à sua criança uma vida segura e confortável.

Por cinco anos, Christian se arrepende de  ter abandonado sua família e fará todo o possível para reconquistá-la, enquanto Elizabeth fará tudo para proteger sua filha da mágoa certa que acredita Christian provocará.

Quando Christian luta para conquistar um lugar na vida delas, Elizabeth é forçada a se perguntar se é possível perdoar alguém quando ele comete o imperdoável e se é possível encontrar o amor depois de ele estar enterrado por anos no ódio. Ou há feridas tão profundas que nunca poderão se curadas? Dizem que todos merecem uma segunda chance...

Take this Regret Series # 1

 

Esse resumo me chamou muito a atenção e aproveitei que o livro está com desconto para o Kindle e acabei comprando. Não me arrependo, pois é uma história muito intensa e que traz uma certa angústia ao ver a luta dos personagens para resolver as situações apresentadas.

Christian e Elizabeth estão na universidade e apaixonados. Christian que ser advogado para assumir um lugar na empresa da família. Elizabeth que ser advogada para lutar pelo direito das crianças. Fazem planos para o futuro, onde o casamento é citado. Mas tudo muda quando Elizabeth se descobre grávida e Christian apresenta seu ultimato: o bebê ou eu! Para ele, um bebê só traria problemas e adiaria os sonhos. Ele esperava que Elizabeth pensasse como ele, porém se enganou completamente quando ela simplesmente deixa de comparecer às aulas. Ele fica dividido, pois ama muito Elizabeth, mas não sabe o que fazer e fica paralisado! Quando ele resolve agir, já é tarde demais...

Elizabeth pede ajuda de Matthew, um amigo que trabalha no mesmo restaurante que ela e os dois desenvolvem um relacionamento de irmãos. Ele é a fortaleza dela nessa hora de provação. E nos próximos cinco anos é com Matthew que Elizabeth conta. Até Christian aparecer na porta dela e revirar sua vida de ponta cabeça...

O livro é narrado em primeira pessoa pelo dois personagens, então sabemos o que ambos estão sentindo e pensando. E isso nos ajuda a ver como é difícil para eles encararem e enfrentarem tudo o que passaram e lutar pelo que desejam. 

Apesar de Christian ter sido um cachorrão com Elizabeth, ao acompanharmos os pensamentos e  sentimentos dele, não conseguimos ficar com raiva. Claro que sabemos que ele tem de se rastejar para conseguir o perdão de Elizabeth – se é que ela conseguirá perdoá-lo. Mas não dá para odiá-lo, pois sabemos que ele também sofre com a ausência da mulher que ama e da criança que ele não conhece. E tem consciência de que a culpa é toda dele!

Não dá para ficar comentando muito, senão vou acabar dando spoilers. Mas posso afirmar que não dá para ficar indiferente durante a leitura desse livro! Recomendadíssimo!

14 de novembro de 2014

Archangel´s Shadows de Nalini Singh

Na sequencia da guerra brutal, o arcanjo Raphael e sua consorte, a caçadora Elena, estão lidando com as traiçoeiras mudanças de maré da política arcangélica e as pessoas de uma cidade abalada, nas não quebrada. A última coisa que a cidade precisa é mais morte, especialmente uma morte que traz a sinistra assinatura de um arcanjo insano que não pode – nem deveria – estar solto nas ruas.

Essa caçada deve ser feita de maneira furtiva e sem alertar a população. Deve ser conduzida por aqueles que podem se transformar em sombras...

Ash é uma rastreadora talentosa e uma mulher amaldiçoada com a habilidade de sentir os segredos de qualquer um que toque. Mas há um homem que ela conhece muito bem mesmo sem um único contato de pele: Janvier,  o perigosamente sexy vampiro Cajun que a tem fascinado e irritado por anos. Agora, enquanto procuram um assassino impiedoso, o jogo de gato e rato e o flerte e provocação entre eles se tornou em algo muito profundo no coração. E dessa vez, é o segredo de Ash, escuro e terrível, que ameaça destruir a ambos.

Guild Hunter # 7

Em Archangel´s Legion, durante a guerra em Nova York, Naasir, Janvier e Ash formaram um time conhecido como Shadows (Sombras) e desestabilizaram completamente as linhas inimigas. Os três desenvolveram uma amizade e um companheirismo muito grande por causa disso. Mas a história de Ashiwini e Janvier vem desde antes de Raphael e Elena se conhecerem, pois Ash foi contratada para caçar Janvier e os dois acabaram se unindo para enfrentar outros problemas (isso em Angel´s Pawn). E vamos vendo os dois interagindo no decorrer da série, sempre flertando, sempre nesse jogo de gato e rato e, quando chegamos a essa história, a deles, já sabemos que ambos estão apaixonados, mas há algo segurando esses dois...

É muito interessante quando vemos os personagens já em um relacionamento, mesmo que seja um ainda não assumido oficialmente – todo mundo sabe que Ash é de Janvier e vice e versa – mas eles ainda continuam a dançar um com o outro. E, finalmente, ficamos que sabendo que Ash é que tem um segredo e tem muito medo de revelá-lo e perder definitivamente o Cajun. E ela precisa decidir que continua a ir levando o que eles têm ou enfrenta tudo e assume o romance definitivamente, pois deixá-lo partir já não é uma hipótese a ser considerada...

E, enquanto eles decidem o que fazer do resto da vida deles, o mundo não para e eles precisam resolver um caso muito estranho e aterrador e triste: uma mulher foi encontrada mumificada e jogada numa lixeira. Esse tipo de mumificação é algo inédito e eles só viram um ser capaz de sugar a vida de outro a ponto de deixar somente uma carcaça: Lijuan! Mas depois da batalha de Nova York essa é uma possibilidade remota – mas que precisa ser investigada e com muita discrição. E, como Janvier representa a Torre e Ash a Guilda, os dois começam a trabalhar juntos.

O caso é muito complicado, pois eles precisam primeiro descobrir quem é a vítima e para isso, eles vão em bares e lugares frequentados por vampiros e humanos que querem servir como doadores – tem vampiros que mantém humanos em casa, como gado, em uma simbiose muito estranha. É muito interessante acompanhar essa investigação e a cada pista vamos nos compadecendo da vítima, pois ela vai se revelando uma mulher muito querida e que amava a vida!

E, no decorrer da investigação, Ash e Janvier vão finalmente se revelando um para o outro e os segredos vão sendo postos às claras e os dois vão precisar resolver se o amor que sentem um pelo outro vai ser suficiente para enfrentarem o que precisam enfrentar juntos...

E na história também ficamos conhecendo um pouco mais de Naasir! E que vampiro(???) ele é!!!! Ele é um ser único, pois parece e age como um tigre, e ao mesmo tempo ele é vampiro...  e o mistério não foi revelado ainda! Achei interessante quando Dmitri começa a se lembrar de quando Naasir era um menino, sinal de que ele está com Raphael e os Sete há muito mais tempo do que pensamos.

Teve uma cena em que Elena resolve convidar Naasir, Janvier e Ash para um jantar em sua casa, como agradecimento a tudo o que fizeram durante as batalhas. Mas quando Naasir diz que vai levar um presente para Elie, todos os membros dos Sete que estão na cidade dão um jeito de comparecer ao jantar (se convidando descaradamente mesmo!) só para ver o que ele ia trazer... Um momento de descontração e amizade muito lindo!

Essa série vem se desenvolvendo de uma forma maravilhosa e a cada volume vamos nos apaixonado mais e mais pelos personagens. Apesar de ser romance sobrenatural, afinal há um Happy Ending, podemos considerar que é também Urban Fantasy, pois as histórias e personagens vão continuando em outros livros. E agora é esperar e ver quem vai ser o próximo protagonista...

30 de outubro de 2014

Wolf on the Run de N.J. Walters

Considerada uma abominação por não conseguir se transformar em lobo, Cherise Michaels vem fugindo de seu clã desde que era adolescente. Depois que sua mãe foi assassinada por membros de seu antigo lar, Cherise está só, em luto e sem opções. Até que um sonho a coloca em curso de sua última esperança: Salvation, Carolina do Norte.

Ela chega em Salvation e é cercada por seus inimigos e então é  resgatada pelo maior e malvado lobisomem que já viu.

Cole Blanchard não tem dificuldades em despachar os intrusos que invadiram a terra de seu clã.  Convencer a moça perseguida de que está segura é uma outra história. Cole sente que ela é sua companheira e a protegerá até seu último suspiro, mesmo que isso signifique arriscar tudo para encarar o antigo clã dela.

Nos braços de Cole, Cherise aprende que há algo no mundo mais poderoso que o medo – desejo e amor. Ela sabe que amá-la é uma sentença de morte para Cole, então ela planeja estocar uma vida de memórias antes de deixá-lo ir...

Salvation Pack # 3

Cole sempre foi um personagem que chamava minha atenção. Forte, leal, intenso e calado, ele está sempre pronto a ajudar seus companheiros, mas fica sempre na dele, solitário e quieto no seu canto. Claro que os quietos são sempre mais interessantes...

O livro começa com Cherise descobrindo sua mãe morta, assassinada cruelmente por antigos amigos e membros de seu clã. Ela então começa a fugir, tentando se afastar da ameaça que, com certeza, está em seu caminho. Um sonho (ou visão?) a faz se dirigir à cidade de Salvation, na Carolina do Norte, sem nem mesmo saber onde é ou o que vai encontrar lá. Infelizmente, o que ela encontra são os assassinos de sua mãe que começam a perseguí-la.

O que nem ela, nem seus algozes, imaginavam era que aquela terra pertencia a outro clã de lobos – Salvation Pack – e que um de seus membros estava de patrulha e acompanhou toda a perseguição escondido. Cole não gostou nem um pouco de ver 3 homens perseguindo uma mulher indefesa  e, claro, partiu para defendê-la.

Cherise fica agradecida a Cole, mas quer partir de qualquer maneira, pois sabe que qualquer outro clã não vai aceitá-la por causa de ela não conseguir chamar seu lobo interior e, por isso, ser considerada uma aberração. Só que Salvation Pack é bem diferente, pois os amigos que o fundaram têm outros objetivos e querem mudar o que não consideram certos em alguns costumes arraigados entre os lobos. Cherise fica confusa ao ver a interação dos membros do clã e vai aos poucos percebendo que ali ela poderia ser feliz, ainda mais ao perceber que Cole é seu companheiro destinado – algo que ela nunca pensou que encontraria – e ir se apaixonando por ele.

Cole também vai se apaixonando por Cherise, mas ele sabe que ela não vai ficar para sempre, pois morre de medo de trazer uma guerra entre clãs por causa de sua condição e da perseguição que sofre. E ela descobre que Salvation Pack já tem um clã que quer destruí-los – a antigo clã deles, liderados pelo pai de Jacques e Louis ,  e não quer aumentar os problemas.

Walters consegue nos trazer esses conflitos numa escrita ágil e com cenas ultra hots! Cole e Cherise têm uma química perfeita e ver a interação dela com os outros membros do clã é bem interessante. Adorei o modo como Cole vai se revelando aos poucos para nós, leitores, e vamos vendo a intensidade do amor e lealdade dele! Cherise também vai crescendo diante de nossos olhos e vamos percebendo que ela só precisava se sentir segura e amada para desabrochar.

Essa está se tornando uma de minhas séries favoritas e não vejo a hora de ler as histórias de Gator e Louis – e espero que apareçam mais personagens...

Como é a semana de lançamento, se você comprar na loja da Samhain, tem desconto! Segue o link.

27 de outubro de 2014

Mack´s Witness de Myla Jackson

Cansado de comer areia e desviar de balas, o Capitão dos Fuzileiros Navais Mack Magnus está pronto para relaxar e aproveitar o casamento de seu irmão em Dublin. Se isso envolver alguns litros em um excêntrico pub irlandês e transar com uma bela irlandesa, melhor ainda.

Ao invés disso, ele acaba recebendo ordens da prima da noiva. Cansado do atrevimento dela, ele a beija para calá-la. Agora ela tem uma nova missão: conseguir seduzir a sexy ruiva.

A ocupada modelo internacional Deirdre Darcy conhece bem o tipo do Fuzileiro de 1,93 m: sexo quente e sem compromisso e partir para novas conquistas. Cair na cama com o bastardo arrogante Mack? Não obrigada! Quando ela tromba com uma dupla de ciganos irlandeses deixando uma cena de assassinato, ela precisa se esconder ou será a próxima vítima.

Com seus instintos protetivos a toda, Mack foge com Deirdre para uma pequena cidade onde é mais fácil mantê-la segura. Exceto que não há escapatória para a grande atração ou para algo que nenhum deles queria. Amor.

Hearts  & Heroes # 2

Uma história bem rápida e gostosa! Como no primeiro livro, os protagonistas praticamente se apaixonam à primeira vista, mas lutam para resistir ao sentimento! É bem interessante ver essa luta...

Mack está na Irlanda para o casamento do irmão e lá conhece a prima da noiva, Deirdre. Ela é uma modelo internacional super famosa e no auge da carreira. Ele é capitão dos Fuzileiros Navais e tem somente um mês de folga antes de ser enviado a outra missão. A agenda deles é em que se pegam para dizer que não vai dar certo... Só que a atração entre eles é forte e intensa e quase impossível de resistir.

Junte a isso um assassinato no hotel em que estão hospedados para a cerimônia e temos um roteiro para aproximar ainda mais esses dois. Gostei das cenas de ação e das cenas hiper hots. Myla consegue nos conduzir pela história de forma inteligente e nos faz acreditar que o amor pode acontecer mesmo bem rápido e certeiro.

Aproveitamos para conhecer os outros irmãos e uma irmã e agora é aguardar as histórias deles!