28 de novembro de 2011

Divergent de Veronica Roth

 

Beatrice "Tris" Prior chegou à temida idade de 16 anos, estágio onde os adolescentes da Chicago distópica de Veronica Roth devem escolher em qual das cinco facções viverão o resto da vida. Cada facção representa uma virtude: Sinceridade (Candor), Abnegação (Abnegation), Destemor (Dauntless), Amizade (Amity)  e Erudição (Erudite). Para sua própria surpresa e de sua abnegada família da Abnegação, ela escolhe Destemor, o caminho dos corajosos. Sua escolha a expõe aos violentos rituais de iniciação desse grupo, mas também ameaçam revelar um segredo pessoal que pode colocá-la em perigo mortal.

A trilogia Divergent de Veronica Roth é lançada como uma aventura cativante sobre amor e lealdade que surgem nas mais extremas circunstâncias.

Divergent # 1

Esse é o tipo de livro que a gente não consegue largar, pois sempre está acontecendo algo.

O mundo criado por Veronica Roth é bem intrigante! Uma sociedade dividida em cinco facções – e há de se lembrar que há os sem-facção, que vivem à margem da sociedade, sobrevivendo da caridade alheia e de serviços pesados. Não há bem uma explicação do por que a humanidade chegou a esse estágio – nem se fora da cidade de Chicago as coisas estão assim – mas é um universo muito coeso e bem trabalhado e interessantíssimo.

O governo é formado pelo pessoal da Abnegação, pois como sempre estão preocupados com os outros, são os mais indicados para controlar o dinheiro e gastos da sociedade. Destemor é responsável pela segurança e assim cada um vai tendo sua função. Mas acontece que Erudição não está mais satisfeita com o status quo e vem atacando e provocando Abnegação. Estamos vendo a sociedade começar a trincar e a mudar. O que será que vem pela frente?

Beatrice nasceu na facção Abnegação. Ela vive com seus pais e seu irmão numa casa confortável,  vai a escola e tenta se integrar na única vida que conhece, apesar de achar que não é talhada para ela. Pois são as pessoas da facção Destemor que atrai sua atenção! O modo como andam, se vestem, se comportam... tudo é bem mais atraente para ela do que a vida pacata e sem egoísmos que leva. Para se ter uma ideia, ela só se vê no espelho quando a mãe corta seus cabelos – isso de três em três meses – e só se veste de cinza, cor de sua facção.

Como todos os jovens, ao completar 16 anos, ela deve escolher a facção para onde deve ir e viver o resto de sua vida. Antes dessa decisão, todos passam por um teste que deve mostrar a verdadeira natureza que possuem, mas o resultado do teste de Beatrice traz uma surpresa e, na hora de decidir, ela escolhe o que seu coração sempre quis: Destemor!

Claro que ela sabia que a iniciação não seria fácil, mas ela não esperava o que vinha pela frente! Os líderes, geralmente jovens, estão mudando os pontos cardeais da facção e há muito mais violência e descontrole emocional do que ela imaginava. Logo ela percebe que há uma polarização entre Four, seu instrutor, e Eric, também instrutor, mas também um dos lideres de Destemor. Enquanto Four busca fazer aflorar a coragem que existe dentro de cada iniciado, Eric mostra que ser cruel e forte e destemido é o que importa, não levando em consideração a diferença entre as pessoas, nem entre as disparidades de força física entre os iniciantes.  Eu, particularmente, achei algumas situações mais de covardia do que de coragem e fiquei surpresa em ver nenhuma ação por parte dos líderes para resolver isso...

Beatrice, que assume o nome Tris assim que chega ao quartel dos Destemidos, tem muito a aprender sobre si mesma e sobre o que necessita dominar para poder viver em Destemor depois da iniciação, pois todos os iniciados são informados que somente os dez primeiros colocados são efetivados como membros. Os demais, terão de viver como sem facção. Fale em pressão!!!! E nesse aprendizado ela conta com Four e com seus novos amigos – se bem que não dá realmente para confiar muito nas pessoas quando todas estão lutando pelo mesmo objetivo...

O livro traz muita ação, muito suspense e algumas traições... Estamos vendo um momento de transformação na sociedade, onde as facções não estão mais tão desejosas de paz e alguns movimentos estão surgindo trazendo um cheiro de guerra no ar. E é nesse mundo que Tris vai perceber que tudo o que aprendeu nesses 16 anos de vida, seja com seus pais na Abnegação, seja com o treinamento em Destemor, a preparou bem, mas ela ainda tem muito a viver e compreender para enfrentar a realidade que está se transformando bem diante de seus olhos... E esse é apenas o início! Posso garantir que Veronica traz muitas surpresas e tensões e já nos deixa roendo as unhas para o próximo livro.

Vi no blog da autora que a Rocco ficou de publicar a versão nacional. Agora é aguardar...

2 comentários:

Lilian disse...

Eu via a capa desse livro mas ficava com preguiça de ler a sinopse. Agora que vc resenhou, finalmente pude saber do que se tratava.

Achei interessante! Ando me interessando por distopias, talvez leia mais desse gênero ano que vem. Só me preocupou um pouco a violência que o livro pareceu ter. É muito exagerada?

Bom, e pelo que vi, se o livro vai sair pela Rocco... melhor comprar o original mesmo. Vai custar uma fortuna aqui.

Beijos!

Regina disse...

Oi Lilian!

Há violência sim, mas não exagerada demais, pois o livro é YA. Claro que Veronica não é daquelas de ir para o caminho que a gente espera, então há muitas surpresas - boas e ruins. Gostei bastante do romance e, apesar de Tris ser adolescente, ela é mais decidida que o normal nesses tipos de livro rsrsrsrs.

Eu gostei muito e já encomendei o segundo em pré-venda.

bjs